18/09/06

Grandes Filmes para Grandes Leitores (!)

Valeu a pena rever estes dois bons filmes: Lost in Translation (1) e Traffic (2):
1 - As surpreendentes coisas simples que despontam em lugares estranhos com pessoas estranhas, com uma naturalidade também surpreendente, gerando sentimentos cuja tradução ou explicação em palavras é difícil, ou não existe. Sentem-se, suscitam emoções, e é isso.
2 - Até onde podem ir as pessoas quando directa ou indirectamente se vêm nas teias do (sub)mundo da droga, que a todos acaba por tocar, tornando-se colaterais. Um tema actual, polémico, na ordem do dia de todos os países, mas aqui o foco principal acaba por ultrapassar as políticas governamentais, dirigindo-se para os dramas familiares e pessoais, que perpassam o ´status´ social; constrangimentos e violência são ignorados quando o resgate da essência humana e do valor "família" se torna o único objectivo.

3 comentários:

Explusiva disse...

Bem sei que o comentário não se enquadra no post, mas ainda assim me atrevo a escrever.

REPOR A “VERITE”

Sobre um texto que escrevi relativo à Feira de São Mateus e que foi publicado em http://herculanodacosta.blog.com

Meus amigos, eu não sabia que um simples texto daria tanto que falar...
Agora vou contar-vos as "consequências" derivadas da “postagem” deste meu texto (aproveito para agradecer ao Herculano o facto de ter reconhecido alguma qualidade na minha escrita e por se incomodar em o colocar aqui no seu blog).
Atenção, pois...
Não foi por mero acaso que me deu na real veneta de escrever este texto sobre a Feira. Não tenho nada a ver com o assunto, não sou funcionária nem espero vir a obter um qualquer “tachito” na “Expovis” ou noutro lado similar.
A “história” é simples e conta-se em poucas palavras. Remonta a Agosto passado, altura em que a Feira de S. Mateus começou. E sendo eu uma viseense atenta ao que se passa na cidade, trato de meter pernas ao caminho direitinha à Feira para ir buscar o programa e dar uma vista de olhos no recinto como qualquer outro visitante curioso!
Entretanto, e como sou aficionada do mundo cibernauta, ‘tá de meter os dedos à obra e pesquisar tudo o que se relacionava com a feira. Entre sites e jornais on-line, eis que me deparo com um blog ("Viseu, Senhora da Beira") e vai de ler e reler os artigos e comentários, quando, de repente, tive que parar para pensar sobre tudo o que se escrevia: críticas e mais críticas, descontentamentos, dores de cotovelo, enfim... puro escárnio e mal dizer!... note-se que quase sempre – para não teimar e dizer SEMPRE! – de pessoas que não ousam dar a cara e se escondem no anonimato!

Numa tentativa de “postar” a minha opinião (porque presumia que a opinião é livre e aceite como tal) ainda fui respondendo a alguns comentários, sempre com a minha humildade, pedindo licença com toda a educação, etc... para tentar perceber os porquês de todo este furor à volta da feira e sempre dando a cara porque "quem não deve não teme".

Estranhamente, os meus comentários deixaram as pessoas muito pouco contentes, tendo até sido desagradáveis e muito deselegantes.

Ora, isto aconteceu logo que perceberam que eu não era “da corda”, isto é, que não me deixava levar em mentiras ou falsas verdades. “Aquila non captat muscas”. Eu também sim.


Como me prezo de ser uma gaja atrevida e sem papas na língua, alço o rabiosque da cadeira e vou, mais uma vez, direitinha à Feira de S. Mateus. Desta vez, não como visitante, mas sim como ‘questionante’! Não perdi tempo a passear por lá e segui o caminho que tinha traçado para mim: Secretaria da "Expovis", presidente, Jorge Carvalho.

Chegada ao destino, acerco-me do balcão e peço à menina que estava no atendimento para pedir ao Sr. Jorge Carvalho, que não conhecia de lado nenhum, o favor de me receber. Não tardaram 5 minutos para que eu estivesse diante do responsável pelo Executivo da Feira. Cumprimentos e apresentações e lá se inicia a conversa para a qual eu vinha preparada:- "Sr. Jorge Carvalho, peço-lhe que me esclareça estas questões tão pertinentes que, não sendo minhas, sei que circulam por aí."

Não fiquei de todo espantada quando o Presidente, com uma simpatia incrível, me convida a sentar e me diz "responderei a todas as suas dúvidas e até lhe agradeço vir aqui colocar-me essas questões”.

Tinha como ideia que Jorge Carvalho era uma pessoa idónea e de uma personalidade e sinceridade extraordinárias, mas se dúvidas houvessem desvanecer-se-iam tal como o fumo no ar em dias de ventania.

O resultado da conversa está no texto acima postado, para que dúvidas não restem. “Veritatis simplex oratio”. A verdade dispensa enfeites, não é mesmo?

De respostas na mão, aí vou eu que não sou de modas, dá-las a ler a quem tanta pergunta pôs a circular: fiz um comentário, com o texto em questão, no blog do Sr. Bazzokas (anónimo por natureza), o tal “Viseu, Senhora da Beira”.

Perguntas feitas, respostas dadas e daria a minha missão por cumprida.... Engano meu!...

Qual não é o meu espanto ao ler um estremecimento, certamente alvar, postado no dito blog, que passo a citar: “Para não lhe chamar outra coisa... Sim, apaguei os comentários... lixo no meu blog não, por favor!”....

Meus amigos: fiquei estarrecida! fiquei sem palavras! (“vale mais experimentá-lo que julgá-lo... mas julgue-o quem nunca o experimentou”/Camões).

Poderia abandonar o assunto, claro, mas, por via das dúvidas... Entendi – porque quem não deve não teme - que o passo seguinte seria perguntar ao sr. administrador do blog o porquê de tal atitude tão pouco democrática e digna, tão contrária à “abertura” que tanto alarde faz no seu blog.

Segue-se de novo o espanto: “Banned by webmaster. Your comments will not be added”, significando isto que o administrador simplesmente “baniu-me” de colocar qualquer comentário no seu blog (note-se que nunca escrevi um comentário ofensivo! Nem anónimo!).

Um curto parênteses à vossa apreciação: eu, cidadã inocente e de boa fé, pego nas perguntas de uma parte e vou buscar as respostas à outra parte. De um lado, da parte do Jorge Carvalho, encontro a maior abertura e até um agradecimento pelas críticas formuladas, do outro lado, como vêem – proibição total!

Fico-me por aqui, pois com gente desta não vale a pena perder tempo. Reposta a verdade, ala que se faz tarde! “Allegatio sine probatione veluti campana sine pistillo est”, que em latim quer, em tradução livre, dizer que há certas pessoas que nem “badalo” têm...! quanto mais sino!!!

Bijux
Cláudia Sofia

N.B. – Só por brincadeira, ensaio a ideia deste senhor Bazzokas à frente da Feira de São Mateus: conseguem imaginar o que me faria ele se eu lhe batesse à porta com algumas perguntas na mão? – certamente que me correria a pontapé e
em êxtase diria para o seu umbigo “lixo na minha Feira... NÃO!”.

V.F. disse...

Não será difícil de entender a sua tristeza, se tal sucedeu como você aqui relata, afinal, nós que andamos na blogosfera - além de outras coisas lúdicas - gostamos, seriamente, de mostrar ideias, debatê-las e aperfeiçoá-las até à "verdade".
Mas também gostamos que sentir que somos lidos e não ignorados.
Mas, já que recorreu à comunidade da blogosfera visiense para difundir o que aconteceu em torno da dita opinião da feira, não seria também proveitoso à mesma, saber o que o Exmo. Sr. Jorge Carvalho, na sua verdade, lhe fez saber? da mesma forma que enfatizou a sua indignação?

Anónimo disse...

Simples e doce. Estou pensando em começar um blog ou cinco muito em breve, e eu definitivamente vou considerar este tema. Mantenha-os próximos!