20/08/07

A Estalagem das Duas Bruxas

Nunca coloquei em opinião o que penso de O Coração das Trevas, do polaco Joseph Conrad, embora reconheça como principal característica da sua literatura, a procura da resolução das dúvidas e inquietações do ser humano, a sua busca no encontro com o infinito físico da natureza representado pelos grandes continentes como África ou pelo imenso mar; este último tão amado e percorrido por Conrad por ser libertador, não lhe reconhecendo fronteiras e sobretudo por o afastar de qualquer fixação sedentária na Inglaterra que o acolheu.
Numa primeira achega a este conto cujo título não inspira (The Inn of The Two Witches), sabe-se que foi escrito em 1913 e publicado na língua-mãe integrado num conjunto de outros três contos, cujo título era "Within the Tides". A Europa-América decidiu publicá-lo individualmente, devido, provavelmente, às afinidades da trama à Península Ibérica mas principalmente por causa da ligação ao mar.
É uma brevíssima história, também ela incluída na colecção Livros de Bolso DN, inspirada, segundo diz o autor, nuns manuscritos que negociou com um alfarrabista londrino, onde um marujo relata a sua vida de "lobo do mar". Na recriação dos manuscritos, predomina a aventura de viagem como é habitual no que é considerado o estilo do escritor. Esta decorre na época das invasões francesas peninsulares, quando as tropas de Napoleão cavalgaram para a ocupação da Espanha e Portugal.
Novamente aparece o mar como elemento de fundo, que serve de via de comunicação entre a Inglaterra - de onde partem navios de guerra -, e a Espanha ocupada, resistindo como pode com especial relevo para as ajudas externas.
A narrativa tem um início impregnado no ambiente marítimo do norte de Espanha. Para encontrarem "guerilleros" e auxiliar a resistência local, uma corveta inglesa faz chegar à costa um "escaler" tripulado por um marinheiro (Tom Cuba) e um oficial (Edgar Burne).
Durante a atribulada viagem a antiga e mútua amizade de adolescência fica reforçada, e quando os 2 homens se aperceberam, tão vivos e audazes se sentiam, já a enseada estava para trás, percorrendo agora as veredas na direcção das Astúrias montanhosas. Após essa etapa, o enredo desenvolve-se a partir do infortúnio dos caminhantes, sobretudo do oficial que as circunstâncias o separaram de "Cuba", conduzindo-o a um cenário tenebroso ao deparar-se no caminho com um obstáculo que seria a dita estalagem. No interior, surgem-lhe aos olhos o belo e o macabro, figurados numa sedutora morena e nas duas bruxas a que se refere o título. Tudo isto, mesclado com um humor cinzento e com excelentes descrições do estado psicológico que vão afectando o bravo Burne.
O final? Apenas recomendo a leitura para melhor juízo... Classif.:[15/20]

2 comentários:

Anónimo disse...

Já leste o Cerco de Badajoz do Bernard Cornwell?

ZT

V.F. disse...

Não e não me apetece.
Quem cercou Badajoz? Napoleão, certamente?
:)