03/07/09

De Erfoud a Marraquesh

Como agora virei as costas à actualidade e ao hábito de a comentar e porque também sinto que escrevinhadores como eu há muitos, deixo aqui, passado meio ano de inactividade, um pequeno apontamento relativo a uma das minhas paixões agora redescoberta - o Mototurismo.

Assim, da viagem a Marrocos feita em duas rodas em meados de Maio fica a pequena crónica ou crónica miniatura de uma das etapas mais emocionantes e estafantes, também.

Para um enquadramento diga-se que ia inserido num grupo de amigos designado de "Os Mustafás", cujo objectivo principal era o de alcançar as areias do Saara perto da cidade de Erfoud. O relato abaixo retrata parte da etapa seguinte à de Erfoud e que nos conduziu às Gargantas do Todra e depois a Marraquesh.
.

Às 8 da manhã em cima das motos!”. Depois do elegante jantar de gala dos Mustafás, no final da última noite em Erfoud, só me tinha ficado aquela frase da Inês a ecoar na cabeça.



E assim foi, às 7h30 já tínhamos as malas prontas a ser colocadas na Honda Varadero, mas antes disso pousei-as no lobby do hotel onde na noite anterior ia caindo o Carmo e Trindade durante o check-out. O Visa não estava a ser aceite, porque simplesmente o chico-esperto do recepcionista tinha acabado de desligar a comunicação, simulando que a culpa era dos serviços centrais em Casablanca.

Esses momentos ocupavam o meu pensamento enquanto ajeitava as malas ao pé da recepção. Nisto o estômago dá um ronco. Não faço mais nada e saio para a sala de refeições.

Já lá estavam quase todos na azáfama matinal dos cumprimentos, dos alegres comentários por entre o cheiro do café, da escolha das mesas e dos crónicos empregados maldispostos.

Pousadas as chaves e os óculos na mesa grande onde a maioria do pessoal já se deliciava, fui à cata das panquecas marroquinas que tanto ansiava. Ao chegar deparo-me com o André a queixar-se do sacana daquele Zéééééé que não dava conta das panquecas pedidas ao tempo. “Só me apetece mandar-lhe um cachaço!”, dizia num misto de gozo e irritação. Se estava bem-disposto melhor fiquei quando lhe disse: “Então manda-lhe 2! Um é por mim!”. No meio do grande salão o André estava meio desbocado, mas coberto de razão. Quem paga tem de ser bem servido, tanto mais num 4 estrelas.

Recolhidas as tostas do costume, o café au lait, geleia e afins, sem qualquer sinal das panquecas, lá me sentei ao pé do Paulo Carvalho e do Nascimento. Reparei que estavam muito concentrados. É natural, pensei eu, quem mata-o-bicho assim fica.

De repente, aparece a Celina com um prato de panquecas e mais geleia! Agora é que tu estragas-te tudo, disse-lhe. Quero ver quem é que está em cima da moto às 8h. Souberam-me a rosas, só vos digo.
A preocupação da pontualidade impunha-se e levantei-me sem terminar. Ainda passei pelo quarto para a inspecção final. Segui depois para o lobby onde apanhei a bagagem. Antes de sair olhei de relance a recepção onde me pareceu ver o artista que nos aturou na noite anterior. Recordo-me que, logo após a discussão, quando chegou a minha vez de levantar a chave, este me ter dito que eu era muito simpático, ao que eu retorqui: Nem sempre, mon ami! Il n´est pas possible. C´est toujours la même chose. À Chefchaouen, Visa ? Non. À Fès, Visa ? Non. Et ici, Visa ? Non. Vous n´avez pas besoin de touristes? Aqui no meio do deserto? Au revoir. E virei-lhe as costas.


Vim a saber depois por aqueles que fizeram o check-out após o pequeno-almoço, que o Visa já funcionava graças à conversa que o Mealha, Pierre e Filipe tiveram com o recepcionista. Uns em francês, outros em inglês e português universal. Parece que a certa altura o marroquino já dizia mal da vida dele.



-----------

Erfoud às 8h00 da manhã estava resplandecente, era um bom auspício para os quase 600km que tínhamos pela frente até Marraquesh.

Cá fora estavam todos nos últimos preparos, exceptuando 2 ou 3. Toca a despachar, Celina.

Todos os dias era sempre assim. Tínhamos que fazer as coisas rápido e os enganos eram uma certeza. Às vezes, após estarmos embalados no equipamento reparava que ainda trazia a chave ao pendurão no fio do pescoço. Toca a tirar as luvas e desapertar casacos. Outras vezes arrancávamos com o casco ou o casaco desapertado, e só em andamento é que dava conta.
Saímos do belo hotel e cortámos à direita. Voámos sobre os primeiros quiilómetros até chegar a uma povoação que parecia como muitas outras, à parte de uma praça com um mercado muito típico. Foi pena não termos parado. Fez-me lembrar o famoso mercado de Meknès com todas as mercadorias expostas no chão e bancadas, uma grande variedade de coisas, desde escapes de motos a caixas de sabão, passando pelo saudoso pão. Tudo serve para fazer alguns Dirham´s, é tipo feira da ladra, não fossem os marroquinos vendedores por natureza.




As planícies sucediam-se ponteadas por elevações que aparentam ser enormes ao longe. Prevalece o castanho do pó e da rocha no meio do qual serpenteia a estrada até onde a vista alcança. As Gargantas do Todra eram o nosso destino intercalar.

Após dezenas de quilómetros a rolar a 100/120 à hora, dá impressão que são já ali, entretanto surgem mais povoações, umas maiores, outras mais extensas, sempre marcadas pelas respectivas torres das mesquitas e megafones, que nem por isso as diferenciam.


Por fim, chega-se a uma cidade com muitas casas em argila com acabamentos rústicos. Na base de uma descida o Pierre hesita e logo aponta o caminho para a direita. Nós só temos tempo de ver no canto do olho uma placa a dizer Toudra, e lá seguimos na direcção de uns rochedos que àquela distância se anteviam monumentais.

Devo dizer que a partir desse ponto tudo começou a mudar. Nos primeiros kilometros a estrada era ladeada por edifícios toscos, era sinuosa, por vezes baixava ao nível do leito dos rios que a atravessavam, ou seja, nesses locais não havia pontes o que significa que sempre que chovesse os viajantes teriam que atravessar o leito com o caudal que lá houvesse. Ou então, não atravessavam. O alcatrão pregava partidas. Nalgumas faixas desaparecia, noutras não se sabia onde começava nem onde acabava.


Essa zona acabou por ser feita rapidamente, tal foi o gozo de rolar naquelas condições. A certa altura começamos a desviar-nos para a esquerda na base dos montes, era a subida a ter início. Paulatinamente começamos a observar a cidade de cima, os terraços apareciam como mosaicos na paisagem, e um enorme manto verde composto por palmeiras traçava o andamento dos cursos de água que por lá passavam debaixo dos nossos olhos. Qual daqueles seria o rio que vinha das gargantas? Quantos rios confluíam naquela cidade?



A resposta a essa dúvida ficava cada vez mais esquecida com a paisagem avassaladora que nos aparecia. A seguir descemos a outro leito, ao que se seguiu nova subida, tudo isto em curvas e contra-curvas. As mágicas recordações de Erfoud e do Saara estavam pulverizadas com aquela vista, e a sensação que algo de grandioso se aproximava era eminente. O caminho que entretanto deixava de ser estrada, ficou mais estreito, apesar disso circulavam pessoas e carros como se nada fosse, os locais aparentavam ignorar tudo e todos na sua vida quotidiana, nem os roncares das motos os chamava à atenção.

Com o rio a acompanhar-nos ao lado, o grupo lá continuava em Z sempre que podia, e a impaciência começava a tomar conta de mim. Os sentidos estavam todos despertos à espera do anunciado, era óbvio que seria já ali adiante, até que nos confinámos a 2 paredes altas onde só cabiam o rio e o caminho, e lá estávamos: as soberbas gargantas do Todra à nossa mão.

Eu nem sei como nos lembramos de colocar os descansos nas motos, o local absorvia toda a nossa atenção. Por mais que esticássemos o pescoço, as falésias pareciam não mais terminar. Quase se uniam no seu topo como quem dá as boas-vindas de braços abertos e os fecha aos visitantes.
Percebi então que les Gorges du Todra não cabiam numa fotografia. Sempre era verdade.




4 comentários:

Anónimo disse...

Nice dispatch and this fill someone in on helped me alot in my college assignement. Thank you as your information.

Anónimo disse...

Takings Our Risqu‚ Prices at www.Pharmashack.com, The Unequalled [b][url=http://www.pharmashack.com]Online Chemist's [/url][/b] To [url=http://www.pharmashack.com]Buy Viagra[/url] Online ! You Can also Espy Mammoth Deals When You [url=http://www.pharmashack.com/en/item/cialis.html]Buy Cialis[/url] and When You You [url=http://www.pharmashack.com/en/item/levitra.html]Buy Levitra[/url] Online. We Also Angle a Noteworthy Generic [url=http://www.pharmashack.com/en/item/phentermine.html]Phentermine[/url] Allowing on the side of no matter what the station of Your Victuals ! We Wheel untied up Big star type [url=http://www.pharmashack.com/en/item/viagra.html]Viagra[/url] and Also [url=http://www.pharmashack.com/en/item/generic_viagra.html]Generic Viagra[/url] !

Anónimo disse...

Hi Guys,Just registered here and looking to have a great time. I am looking for the best cash gifting program out there in the internet. Can you guide me?

Below are some sites that I found and I am not sure how much they are going to help me.
[url=http://www.squidoo.com/Residual-Cash-Forever-Cash-Gifting-System]cash gifting[/url]
[url=http://www.squidoo.com/Residual-Cash-Forever-Cash-Gifting-System]join cash gifting[/url]
[url=http://www.squidoo.com/Residual-Cash-Forever-Cash-Gifting-System]best cash gifting program[/url]

PedroTavares disse...

http://www.eco-gama.blogspot.com

Este é o projecto que anda a decorrer na minha escola. Precisamos de seguidores, de dinamizá-lo ainda mais. Se puderes apenas segui-lo, agradecíamos imenso! =)