04/09/07

Livros escolares 75% mais baratos

Em tempo de guerra não se limpam armas ou a cavalo dado não se olha o dente. São os ditados que se podem associar ao assunto noticiado, decerto este sítio virtual vai ser precioso a quem necessitar de um manual escolar de ultima hora. Para o efeito, o autor do site www.exacto.com.pt/ faz a recolha e posterior venda de manuais escolares usados e outros livros. É relativamente recente, aspecto que justifica o seu desconhecimento público. Infelizmente, a divulgação não tem sido feita aos 4 ventos como deveria ser. Mesmo não tendo grande significado, estas iniciativas mexem nos interesses das editoras de livros escolares que nesta fase não têm mãos a medir.
Descobri o anúncio ao acaso no Portugal Diário, onde surge um link para a
www.exacto.com.pt/ e onde refere que recolhe manuais editados desde o ano de 1986 de todas as disciplinas e outros livros de vários géneros. Fá-lo também numa perspectiva de defesa do ambiente e de redução de desperdícios à qual se junta a colmatação de livros escolares a preços baixos e o envio dos menos procurados para os PALOP´s, em fomento da língua portuguesa.
Da visita que fiz ao site, os livros do 1.º ano do básico que procurei não apareceram, e os que estavam disponíveis, segundo me parece, apresentam preços longe dos 75% de desconto.
Todavia, a iniciativa é louvável e ainda tem muita margem para progressão. Ao que consta o grande promotor é um jovem com 16 anos e, para já, abrange a zona do grande Porto mas que cresce de dia para dia.

1 comentário:

António Cruz disse...

Louvável?!Muita margem para progressão?!...
Se houver mais casos como o meu, nesse caso então têm muita progressão no que diz respeito à acumulação de capital. Pois que usurparam 3 livros meus e não fui reembolsado 1 cêntimo, ou seja, ganharam 100% de lucro e eu fui burlado!
Enviei os três livros para a Exacto.com.pt com a esperança de serem vendidos. Acontece que os livros não estavam nas condições que os membros da «Exacto» esperavam e estão desactualizados, segundo o critério deles. Já que foi assim, pedi-os de volta. Depois ficaram muito tempo sem me contactar e eu insistia com mails e telefonemas, contudo foi em vão porque estes senhores tinham a simpatia de não atender ou responder a mails. Não tive alternativa senão em alertá-los que denunciava as autoridades. Lá então responderam ao mail e disseram me os livros já tinham sido enviados para uma instituição de caridade em África sem o meu consentimento e ,então, me reembolsariam. Assim, violaram as próprias condições de funcionamento e utilização na qual consta que num período de 4 meses após o envio dos livros eu tinha o direito de reclamá-los de volta. Já que enviaram os livros para fora, eu exigi que me reembolsassem com o valor destes no mercado para poder adquiri-los de novo. Responderam que os livros no mercado não valem nada porque estão desactualizados. Isto contradiz a afirmação anterior de que me queriam reembolsar. Eu disse-lhes que isto era um roubo, não é justo eu ficarem sem livros e não receber um único cêntimo. Depois, mais uma vez contradisseram-se, afirmando que me querem reembolsar. Ainda hoje tou à espera que me digam qual o valor do reembolso. Enfim... após várias contradições e conversas inusitadas foi a clara a intênção deles de não me devolder nada! Já informei destes assunto às autoridades, infelizmente, o capitalismo e burocracia intrudidos na justiça não me permitiram seguir com a formalização da queixa.
Espero que as pessoas pensem duas vezes antes de enviar um livro à «Exacto»