05/06/07

Bento XVI recomenda:

O Papa Bento XVI recomenda:

- Celibato mantém-se e fica reforçado
- As grandes celebrações devem ser em latim.
- As entoações das celebrações deverão ser em canto gregoriano.
- Respeito litúrgico na linguagem e movimentos do corpo.
- Moderação das expressões para garantia da sobriedade na celebração.
- Governos não devem promover o uso de contraceptivos.
- Intransigência face à eutanásia.
- Intransigência face ao aborto.
- Intransigência face à homossexualidade.


Eu que cresci numa comunidade católica e recebi educação conforme, e que não cultivo a vivência religiosa, penso que a igreja está a indicar o mesmo caminho que sempre lhe conhecemos, e cada vez mais em sentido oposto ao das actuais práticas cristãs das grandes massas de fiéis.
Conservadora, a igreja católica com este Papa de face estóica, quer repor costumes do passado. E o passado do catolicismo tem muitas páginas negras.
Estas orientações, apesar de reconhecer nelas o encontro com a autenticidade e a meditação, estão em contra-ciclo com a cultura do fast-living que prevalece na actualidade dos cristãos, e que os vai afastar ainda mais do culto. Disso não tenho dúvidas.
A minoria cumpridora sobrante, seria a elite do dom do canto gregoriano impelida para o latim, enquanto o grosso se escoaria para outras igrejas ou para o ateísmo .
Parece-me que tais postulados terão igual destino ao dos 10 primeiros escritos nas pedras. Tanto mais com os brasileiros – a força católica da América latina – devotos da missa espectáculo. Isto sem mencionar o Gospel norte-americano.


As sociedades transformam-se e nelas incluiu-se a igreja. E esta se fosse mais liberal não se perdia nada.

2 comentários:

Cazento disse...

Viva, Víctor!

Pois é, este papa Bento 16 é um "broncas", não dá uma para a caixa. O Martinho Lutero, coitado, deve estar a revolver-se no túmulo ao ouvir as "baboseiras" que este "papista" vai dizendo. Lol!!!

É claro que para mim nada disto me faz qualquer diferença porque eu não sigo nem acredito em religião nenhuma, fosse ela mais ou menos liberal. Tenho respeito pela religião e pelos fiéis e por vezes alguma curiosidade sobre os meandros mais obscuros da Igreja, mas não sigo nada nem acredito em nada. Aliás, eu não acredito nem eu Deus nem no Homem. Ehehehehe!!!

Mas de facto acho óbvio que este papa tem cometido erros atrás de erros. Enfim, para mim são erros, para ele e para os que acreditam que estas são as normais mais puras da igreja, pois esses estarão todos de acordo. Mas, tal como o seu post sugere e muito bem, a Igreja deveria tentar acompanhar minimamente a evolução da sociedade, em vez de ir precisamente em sentido contrário, o que à partida este dito "16" parece não entender.

V.F. disse...

E são ambos alemães, veja lá!

Depois das posições assumidas por este Papa face ao Islão, com tanta tenacidade e lucidez, pensei: temos Papa!
Agora com estas recomendações mantendo uma linha ulta-conservadora (talvez ainda mais que a do antecessor) deixaram-me espantado.

Eu, da minha educação católica guardo boas e cândidas recordações, pelo que hei-de sempre acarinhar a igreja católica naquilo que puder. Agora a minha vida espiritual, faço-a desprendida do catolicismo. Não concordo com as suas regras, nem com algumas das suas posições e imposições. Pelo que quando procuro alcançar o meu "eu" interior, procuro fazê-lo de forma distinta daquilo que a sociedade estabelece. Aí talvez seja mais individualista.

No homem também acredito menos, e dou conta disso à medida que com ele convivo mais; ou pior ainda, à medida que me conheço mais. Eheh!

Abraço